Situations.

And there’s more. I also know many beautiful actresses . I meet frequently with the literati . I am a personal friend of Machado . Sometimes I tell him : ” how Machadinho my brother ? ” – And he responds : ” We are there , let’s taking .” It’s a very unique subject . ( Gogol , free adaptation) .
1. A street cut by winds towards the north . The curb a gasoline tank rusty , old and abandoned , another three steps ahead , heading in the wind , something that should be a bank teller , probably ” violated ” and robbed is fallen and exposed like a skeleton denouncing the failure of progress . Nothing on this street that represents the scope of thought , so everything is dead . In photographs War disclosed in our textbooks , the scene described above holds close bond , they mingle , meet and fade into consciousness. The abandoned tank integrates the landscape , part of the common everyday things and men , both – men and things – have only one function: utility. After the resignation of the meaning and concept by replacing the formula , the natural man became a grotesque scene photography , the war was accepted , worse … was legitimized by the administrative pattern that hangs over all spheres of society . The old tank rests on the ground , and its configuration in space confirms the hypothesis that self-preservation of the dominated is effective in the knowledge that nothing can be better than that, hiding the unforgiving reaches of the division of labor , where growth and production riches establish a dynamic and negative inversely proportional to the human spirit , the greater the wealth produced in bourgeois self-preservation ensured by science and capital , the lower the potential to make man as man . In this dire scenario , the myth of Sisyphus devotes the day to day of being indifferent to the abandoned tank and turn the abandoned tank to be indifferent . In this sweet and gentle man , who constantly down the mountain again to lift the large rock to its summit , the absurdity is configured in the reification of its meaning to life . As convicted, the men seem to refugee camps, fill all trains to take them to work and again the image is revealed in the written confession of demonstrating the falsity of the scene.

1st English edition (publ. Hamish Hamilton)

1st English edition (publ. Hamish Hamilton) (Photo credit: Wikipedia)

There it fetishism guaranteed by the phantasmagoria of the scene , and lapses of “freedom ” to the holidays , when despair is revealed in the kilometric queue of cars observed and administered as a guarantee of standards of happiness given by work, a real scene of refugees . The dynamic urban works with inflows ebbs and beings that permeate the structure of consumption ensuring for all , access to goods , the only possible ideal realization . Hides behind the image , however , the characteristic feature of the continuity of your planning that is : proper maintenance of antagonistic class interests . The struggle thus reveals itself and the image of passivity – peaceful mind on the eyes and conscience , that there is as a result of an accumulation of social work , or as a commodity . The streets , alleys and boulevards become merchandise . And as such , retain the specificity of the status quo . Thus , the tank reveals the impending conflict image : first, as animal nature , and waste destruction , on the other hand, as a progress ratio and functionality. Both aspects are mutually deny when , however , is to pair the denial and affirmation in writing that shows the image of the old tank, reveals that in contemporary capitalist society there is a creation of values ​​that is not guaranteed to some superior being , or in an ideal addition as Nietzsche supposed , but corresponding to the bourgeoisie and its low values ​​arising from the merchandise . Progress then refuses and the reason becomes irrational. This problem can be demonstrated at least aspect that surrounds the urban structure ensuring that the functional value lost before the tank it becomes inert to all, this result also occurs with the man abandoned on a street somewhere . In its uselessness against the consumption of surplus bourgeois man enters the picture of the tank and , therefore , we see the scene of the old war photography . You need to give in to the mythology of progress and to join hands with their structure securitarian if it not want to succumb to the structure imposed urbanistically . In it there are pockets to vent repression of the week , ensuring the functionality and access to buy and sell his devices .
In this dynamic childishness reverberates in taste fragile and futile , condensing the mass to a desperate retreat pitiful , where , away from the tank and the man abandoned, locked in a window frame without the desire to purchase is made . Nevertheless , the current administration that make transport much apparently only a means to drive the mass euphoric and empties it into temples of consumption, we also become open to backing the indignados who watch your movies and favorite pieces in the comfort of a theater in the prime area of the city . The subject is only to consume , behold the revelation of the image in writing. Every setback to thinking surrounding is heard , however, as mystical awe of someone who does not know what to say , or even originality of form without content . Indeed , the angry are accepted , but always with an eye on it ensures that one advocating his madness . The brutality with which fits the individual is so unrepresentative of the true quality of the men and the value is the use of objects . And this looks peaceful regularity dehumanizes man up about the scope of reason given .
After the withdrawal of the purchase , the city administration as a result of socio-historical process , makes volver man docile in the conduct of their body and their individual traits characteristic functions and demanding their return to the sad human infertility facing the gloomy picture on your door , which conceals from consciousness trait deepest of human history : the class struggle , now hidden by the blindness and deafness of the capital with its apparatus and stark imagery . If you were previously theological myths , today is the myth of bourgeois reason that hides the functionality of its existence guaranteed in commodity form . Men in the homogenization embrace their opaque world and become barbarians each other. So , on Sunday the Sisyphos return to rescue his rock down the mountain, encountering the man and the tank .

Situações:

 

 

E tem mais. Eu também conheço muitas atrizes lindas. Eu me encontro freqüentemente com os literatos. Sou amigo pessoal de Machado. Às vezes eu digo a ele: “como é Machadinho meu irmão?” – e ele me responde: “estamos ai, vamos levando”. É um sujeito muito original. (Gogol, livre adaptação).

 

 

  1. Uma rua cortada por ventos em direção ao norte. No meio fio um tanque de gasolina enferrujado, velho e abandonado, mais três passos à frente, rumando com o vento, algo que deveria ser um caixa bancário, provavelmente “violentado” e roubado está caído e exposto como um esqueleto denunciando a falência do progresso. Nada há nesta rua que represente os alcances do pensamento, logo, tudo está morto. Nas fotografias da Segunda Guerra divulgadas nos nossos livros didáticos, a cena descrita acima detém intima ligação, elas se misturam, se encontram e se desvanecem na consciência. O tanque abandonado se integra a paisagem, faz parte do cotidiano comum das coisas e dos homens, ambos – coisas e homens – detêm apenas uma função: a utilidade. Após a renúncia ao sentido e a substituição do conceito pela fórmula, a paisagem natural do homem tornou-se a cena grotesca da fotografia, a guerra foi aceita, pior… foi legitimada pelo padrão administrativo que paira sobre todas as esferas sociais. O velho tanque repousa sobre o solo e, sua configuração no espaço confirma a hipótese de que a autoconservação dos dominados se efetiva na consciência de que nada pode ser melhor do que isso, ocultando os alcances implacáveis da divisão do trabalho, onde o aumento e produção das riquezas estabelecem uma dinâmica inversamente negativa e proporcional com o espírito humano, quanto maior a riqueza produzida, na autoconservação burguesa garantida pela ciência e o capital, menor é a potencialidade de o homem realizar-se como homem. Nesse cenário calamitoso, o mito de Sísifo se consagra no dia-a-dia do ser indiferente ao tanque abandonado e, por sua vez, o tanque abandonado indiferente ao ser. Nesse homem dócil e adocicado, que constantemente desce a montanha para novamente erguer a grande rocha até seu cume, o absurdo se configura na reificação de seu sentido à vida. Como condenados, os homens parecem refugiados de campos de concentração, lotam todos os trens para os levarem ao trabalho e novamente a imagem se revela na escrita demonstrando a confissão de falsidade da cena.

Marx_izquierda_Engels  Há nela um fetichismo garantido pela fantasmagoria da cena, e lapsos de “liberdade” aos feriados, quando o desespero se revela na fila quilométrica de carros observada e administrada como garantia de um dos padrões de felicidade, dado pelo trabalho, numa verdadeira cena de refugiados. A dinâmica urbana trabalha com os influxos e refluxos dos seres que permeiam a estrutura do consumo garantindo para todos, o acesso à mercadoria, o único ideal possível de realização. Por detrás da imagem esconde, entretanto, o traço característico da continuidade de seu planejamento que é: a manutenção correta dos interesses antagônicos de classe. A luta, assim, se revela e a imagem da passividade-pacifica mente sobre os olhos e a consciência, que não há trata como resultado de um acúmulo de trabalho social, ou seja, como mercadoria. A rua, as vielas e bulevares tornaram-se mercadoria. E como tal, guardam a especificidade da manutenção do status quo. Desse modo, o tanque revela a contradição iminente da imagem: primeiro, como animalidade, lixo e destruição, por outro lado, como progresso, razão e funcionalidade. Ambos os aspectos se negam mutuamente quando, entretanto, se parear a negação e a afirmação que se mostra na escrita da imagem do velho tanque, revela-se que na sociedade capitalista contemporânea há uma criação de valores que não é garantida a algum ente superior, ou um ideal no além como supôs Nietzsche, mas, correspondente à própria burguesia e seus baixos valores advindos da mercadoria. O progresso então se nega e a razão torna-se irracional. Tal problema pode ser demonstrado no mínimo aspecto que circunda a estrutura urbana garantindo que ante o valor funcional perdido do tanque ele fique inerte a tudo, esse resultado também ocorre com o homem abandonado em uma rua qualquer. Na sua inutilidade ante o consumo do excedente burguês o homem adentra a imagem do tanque e, por conseguinte, se vê no cenário da velha fotografia de guerra. É preciso ceder ante a mitologia do progresso e dar as mãos a sua estrutura securitária se, acaso não quiser sucumbir à estrutura imposta urbanisticamente. Nela há bolsões para extravasar o recalque da semana, garantindo a funcionalidade e o acesso a compra e venda de seus artifícios.

Nessa dinâmica a infantilidade reverbera no gosto frágil e fútil, condensando a massa desesperada a um refúgio digno de dó, em que, longe do tanque e do homem abandonado, trancados numa estrutura sem janela o desejo de compra se realiza. Não obstante, na atual administração que tornam os meios de transporte apenas muito aparentemente um meio de conduzir a massa eufórica e desembocá-la em templos do consumo, abre-se também para o respaldo aos indignados que assistem seus filmes e peças favoritas no conforto de um teatro na zona nobre das cidades. O sujeito só é se consumir, eis a revelação da imagem na escrita. Toda contrariedade ao pensamento circundante é ouvida, entretanto, como espanto místico de alguém que não sabe o que diz, ou mesmo como originalidade da forma desprovida de conteúdo. Com efeito, os indignados são aceitos, mas, sempre com um olhar que garante sobre ele uma preconização de sua loucura. A brutalidade com que se enquadra o indivíduo é tão pouco representativa da verdadeira qualidade dos homens quanto o valor o é dos objetos de uso[1]. E nessa aparência pacifica de regularidade o homem desumaniza-se sobre o escopo da razão administrada.

Após o coito interrompido da compra, a administração urbana, resultado do processo histórico-social, torna a volver o homem na conduta dócil de seu corpo e de seus traços individuais característicos, demandando suas funções e retorno para a triste infecundidade humana com que se depara na imagem sombria em sua porta, que longe da consciência esconde o traço mais profundo da história humana: a luta de classes, agora ocultada pela cegueira e surdez do capital com seu aparato gritante e imagético. Se antes eram os mitos teológicos, hoje é o mito da razão burguesa que esconde a funcionalidade de sua existência garantida na forma mercadoria. Os homens a abraçam na homogeneização do seu opaco mundo, e tornam-se bárbaros entre si. Assim, no domingo os Sísifos retornam para resgatar sua rocha no final da montanha, deparando-se com o homem e o tanque.


[1] ADORNO, 2006 p.35

NOVE CONSIDERAÇÕES SOBRE BENJAMIN.

walter benjamin1.

Benjamin é nosso camarada: por um lado, não negava a urgência da transformação, por outro, não deixava jamais que essa urgência ocupasse o lugar da reflexão, mas pelo contrário essa urgência transformadora era o próprio elemento orgânico e constitutivo de sua reflexão: lugar incomum na vulgarização do materialismo dialético.

2.

Benjamin estruturou toda sua critica visando a ação, porque compreendeu como poucos o método. A tarefa do intelectual que foge ao filisteismo é, para ele, algo ligado a urgência política, ou melhor, a ação política.

3.

A crítica literária de Benjamin é surpreendente. Sua análise relaciona dialeticamente as partes que constitui o Todo da obra com o todo que constitui as particularidades da obra “considerando como conexão do conteúdo dela a necessidade e a expansão num todo orgânico”, a relação de ir e voltar resulta na transcendência da ação presente que a obra analisada estabelece no mundo.

4.

A noção de “perda da experiência” benjaminiana, talvez, seja uma das maiores contribuições para a compreensão da fuga de sentido do romance, já anteriormente observada por Lukács.

5.

O combate de Benjamin ao fascismo contribui poderosamente para analisar as relações e as interpretações problemáticas que, tanto, à direita, quanto à esquerda fazem em momentos pré-catastróficos.

6.

Benjamin como todo grande pensador sabia os erros cometidos pelo marxismo vulgar, tanto na área filosófica, como, na literatura. O ensaio “Melancolia de Esquerda” permanece atual por dois motivos: ainda há Vulgarizações no pensamento marxistas, e raramente os pequenos burgueses ultrapassam “o fatalismo daqueles que estão mais longe do processo produtivo, (ou seja, eles mesmos) e, cuja furtiva atitude de cortejar a conjuntura é comparável à atitude do homem que se dedica inteiramente a investigar os inescrutáveis caprichos de sua digestão” e encerra, “a melancolia e a constipação intestinal sempre estiveram associadas.”

7.

A aproximação de Benjamin a Brecht, resultou num dos grandes conceitos esquecidos pelos herdeiros da “teoria crítica”, o conceito de refuncionalização. A base pela qual, a classe oprimida pode acessar verdadeiramente os benefícios gerados pelo seu labor. O movimento pelo qual, há a expropriação dos meios de produção redefinindo sua função: não como uma coisa estranha ao homem, mas uma coisa que serve ao homem e este dele se serve. A essência humana não é dirigida mais pela máquina (ação) nem mecanicamente (teoria), o homem não se reduz passivamente há uma mera coisa, assim, o teatro épico tem como função a de interromper a ação. Para que? Para refuncionalizar, dar uma nova função diferente da ação rotineira das massas sobre a égide do capital.

200px-Walter_Benjamin_vers_19288.

Contrariamente ao que se formula nos meios acadêmicos, o tom nostálgico de Benjamin frente à arte é só em parte verdadeiro, se de um lado, enxerga na reprodutibilidade o fim da aura, de outro lado, sabe que isso aproxima o espectador redefinindo a arte como um todo. A arte emancipa-se pelo avanço gerado historicamente nos meios de produção e reprodução e explodem as barreiras entre o observador e a obra, residindo nisso perigo, por que os meios de produção são monopólio de uma classe: a burguesia. Que detendo os meios tornam-no, via de regra, uma máquina contra a classe trabalhadora, educando-a com seus valores e pervertendo a própria noção de emancipação da arte, já que impedem a nova função que arte deveria ter, a saber: tornar novamente “o homem… um animal político”.

Stamp from the former East Germany depicting B...

Stamp from the former East Germany depicting Brecht and a scene from his Life of Galileo. (Photo credit: Wikipedia)

9.

Numa noite gélida, o teto do Resto humano, eram as estrelas e seu chão era pisado por pés seminus. Suas roupas esfarrapadas e seu pigarro na garganta, junto aos detritos torturados da história das coisas, eram sua companhia. O vento soprava frio e tenebroso, confundindo a mente ébria do farrapo. Uma sombra satânica lhe surgiu de repente, na luz pálida do poste que reconheceu ser de um guarda, que lhe perguntou: “quem está ai?” ao que o farrapo respondeu “O Espírito Absoluto!”

Uma reflexão datada.

ImagemComo sempre, a coruja de Minerva chega ao anoitecer e seu olhar se volta as ruínas do dia. Na graciosa turbulência dos últimos tempos, os últimos protestos demonstraram uma situação ambígua na orientação política dos sujeitos. Nada mais difícil de julgar, o conteúdo das manifestações não esta a mostra, ele escorrega aqui e acolá, e a disputa desse conteúdo, seu preenchimento, ora detém um caráter progressista, ora detém um caráter reacionário.

Por enquanto, a forma do ato tem efetividade contra a representação, contudo, mostra inefetividade no plano objetivo das relações sociais. Ou seja, no plano abstrato há uma ação efetiva que demonstra que o modelo político burguês fracassou, entretanto suas respostas são abstrações que aspiram há algo que são incapazes de dizer porque este algo é a própria abstração real, para ser mais claro O capital.

Isso quer dizer, que o ato nasceu fetichizado e há separação entre o real e o abstrato. Nada novo até aqui e não podemos sequer ficar espantados com isso. Entretanto, reside na práxis e só nela a possibilidade de unir essas esferas supostamente antagônicas professadas pelo pensamento dominante, para com isso dar respostas efetivas, tanto, real como, abstratamente, pois o real e o abstrato foram a muito unificados na forma mercadoria. E embora, os revoltosos intuitivamente se lançam na vereda dessa unificação, sua intuição não basta é preciso ideia, ou melhor teoria.

O capitalismo, essa forma política do Capital, conseguiu se camuflar sintetizando essas duas esferas. Assim, no que concerne a ação política das massas vê-se a busca da dissolução da forma política, o ato guia-se numa busca fácil demais para dispor de uma grande extensão. Ocupa-se especialmente com peculiaridades abstratas, pois, ideologicamente crêem que esta é independente do concreto.  Isto é, que o capitalismo é uma coisa e a corrupção é outra, que a politica é uma coisa é o capitalismo e outra, que o aumento da tarifa é uma coisa e o capitalismo e outra etc. Nesse formalismo sustenta-se que a universalidade de abstração é o dado que precisa acabar: os partidos, a política, a corrupção.

Assistimos ai, a dissolução do que toca a raiz, daquilo que é determinante, onde é valido precipitar no abismo do vazio o que é Diferente, enquanto a forma do capitalismo permanece intocada. Contudo, será na disputa do conteúdo, no balançar desse pêndulo de consciências que poderemos apontar para a dimensão invisível e visível daquilo que realmente precisa acabar e as ruas são o melhor lugar desse aprendizado.

CARTA DE SNOWDEN A RAFAEL CORREA‏

AL PRESIDENTE DE ECUADOR, RAFAEL CORREA:

snowden-nicaragua“Existen pocos líderes mundiales que arriesgarían estar del lado de los derechos humanos de un individuo frente al gobierno más poderoso del planeta, y la valentía de Ecuador y su pueblo es un ejemplo para el mundo.
Debo expresar mi profundo respeto por sus principios y mi sincero agradecimiento por la acción de su gobierno al considerar mi solicitud de asilo político.
El Gobierno de los Estados Unidos de América ha montado el mayor sistema de vigilancia del mundo. Este sistema global afecta a toda vida humana vinculada a la tecnología; grabando, analizando y sometiendo a un juicio secreto a cada miembro del público internacional. Supone una grave violación de nuestros derechos humanos universales cuando un sistema político perpetúa el espionaje automático, generalizado y sin garantías contra personas inocentes.
De acuerdo a esta creencia, revelé este programa a mi país y al mundo. Mientras el público ha expresado apoyo a la luz que he arrojado sobre este sistema secreto de injusticia, el Gobierno de los Estados Unidos de América ha respondido con una cacería extrajudicial que me ha costado mi familia, mi libertad de movimiento, y mi derecho a una vida pacífica, sin miedo a una agresión ilegal.
Mientras yo enfrento esta persecución, ha habido un silencio por parte de aquellos gobiernos temerosos del Gobierno norteamericano y sus amenazas.
Ecuador, sin embargo, se erigió para defender el derecho humano de buscar asilo. La acción decisiva de su Cónsul en Londres, Fidel Narváez, garantizó que mis derechos fueran protegidos durante mi salida de Hong Kong – Nunca me podría haber arriesgado a viajar sin esto.
Ahora, como resultado, me mantengo libre y capaz de publicar información que sirve al interés del público.
Sin importar los días que me resten de vida, me mantendré dedicado a luchar por la justicia en un mundo desigual. Si alguno de esos días contribuye al bien común, el mundo deberá agradecer a los principios del Ecuador.
Por favor, acepte mi gratitud a usted, como representante de su Gobierno y del pueblo de la República del Ecuador, así como mi gran admiración personal por su compromiso para hacer lo que es correcto, antes que lo que genera recompensa”.

Edward Joseph Snowden.

O MOVIMENTO PASSE LIVRE NO CERNE DA LUTA DE CLASSES.

Por Adélia Prado.

passe livre5Há protesto democrático? Esta frase é utilizada nos meios de comunicação para dizer que há um tipo de protesto aceito e outro execrável. O protesto aceito é um desfile, um tipo de passeio com algumas faixas que indicam seu titulo, uma marcha silenciosa onde às pessoas nela envolvidas fazem poses para câmera dos jornalões. É um tipo de protesto tal como o Cansei ou pela maioridade penal. Um protesto ordeiro e cordial.

O segundo protesto, são o dos arruaceiros e radicais, são vistos pela grande mídia como a gentinha bagunceira, os vândalos que não se comparam aos revoltosos da Turquia ou da Grécia, aliás, na Turquia não há vândalos embora, vemos na tela milhares de carros queimados e lixos espalhados. Jornalistas financiados pelos seus bons investidores gritam contra a desordem gerada, não pelos meios de transportes desestruturados e muito aquém da dignidade humana, mas sim contra os baderneiros que horrorizam as elites com suas máscaras fantasmagóricas e suas pichações despudoradas. Enfim os jornais em sua maioria fazem a voz dos interesses da classe dominante, mesmo com seus jornalistas sendo espancados pela policia pacifica desse nosso país.passe livre 4

Desse modo, o protesto – diferentemente ao que se diz – é o exercício próprio da democracia, melhor, é quando a democracia sai da representatividade e ganha efetividade. Suas contingências, assim, é o resultado final das opressões antidemocráticas. Quando milhares saem às ruas reivindicando, fazem com isso, o exercício democrático de fato.

Vê-se então, o reverso da moeda, os limites da democracia representativa, que na verdade é uma forma de conteúdo esvaziado do espetáculo político garantido pelos meios de comunicação que se opõe diretamente aos interesses da grande maioria. Para lembrar nosso governo “é tão somente um comitê que administra os negócios comuns de toda classe dominante”. Portanto, entendam-se radicais aqueles que estão na raiz dos problemas e arruaceiros aqueles que vão para as ruas bradar os problemas em sua raiz, e embora, o MPL não se debruça na raiz dos problemas – e também não queremos superestimá-los – nem por isso, deixa de indicar o caminho com sua prática. O MPL acerta pela forma e não pelo conteúdo. Colocando em xeque todo o edifício teológico construído pela era neoliberal. Aliás, esta teologia cai com a simples pergunta: Se o transporte é público por que pagamos por ele?

 

passe livre1Não obstante, o aumento da passagem nos anos anteriores sempre significou ao trabalhador o distanciamento da cidade. Este cidadão fica fora dos grandes centros não somente pelo preço, como também pela precariedade do transporte público. Algumas empresas de ônibus cuja contabilidade faz mágicas pela quilometragem, alteram muito o valor da passagem. Já cansado e sem estimulo para aproveitar o que a cidade tem para oferecer, este não ousa enfrentar o trem, e sua vida resume-se a ir trabalhar e voltar para sua casa. Num circulo infindável cujo mito de Sísifo se faz real e abstratamente. Logo, o MPL é também um movimento pelo direito à cidade, gerado pela luta de classes, na própria dinâmica de circulação de mercadorias no espaço geográfico urbano.

Desse modo, como o aprofundamento das desigualdades acompanham os desenvolvimentos das formas de luta, a organização progressiva dos movimentos em todo Brasil foi obra dos desfavorecidos e para os desfavorecidos. Não de maneira estanque, mas pelo contrário, acompanhando o desenvolvimento desse aprofundamento desigual característico do monopólio da riqueza e socialização da precariedade.

Com efeito, quando a grande mídia acusa os manifestantes de filhos da classe média, nada mais faz que o reconhecimento da luta de classes, entretanto, utiliza-se dela para descaracterizá-la nivelando por baixo, omitindo as contradições e ocultando a bandeira erguida pelos movimentos sociais. Aliás, classe média é um termo contraditório e confuso, baseado e criado pela economia burguesa para demonstrar o aumento do nível de consumo dos trabalhadores. Não podemos esquecer que hoje a favela está sendo chamada de classe média, entretanto, nada se alterou de fato na vida de seus moradores.passe livre3

A luta do MPL se lança, assim, em atingir um objetivo imediato da classe trabalhadora, no entanto, na medida em que faz isso no atual movimento representam também um movimento futuro. Pode suceder que triunfe ou fracasse, mas ambos serão passageiros, entretanto, seu resultado real será a extensão da união dos trabalhadores. Além disso, à sua bandeira devem ser acrescidas as inumeráveis lutas políticas. Como sua luta é uma luta de classes e como a luta de classe é uma luta política, nossos bons inimigos, estão certíssimos quando, para desqualificarem o ato, o chamam de político. Obviamente não se trata da política do comitê de administração dos negócios do capital e sim da Política como atividade emancipatória.

UNESP FRANCA EM GREVE

Araraquara, 3 de junho de 2013.

Carta ao governador do Estado de São Paulo, imagesGeraldo Alckmin,

Desde meados de abril de 2013, tem surgido em diversos campi da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP) um quadro agudo de mobilizações estudantis que tem se espalhado pelas outras unidades da universidade e atingido não só os estudantes, mas também os segmentos de servidores técnico-administrativos e docentes. No dia 29 de maio, representantes dos três segmentos (Sintunesp, Adunesp e Conselho de Entidades Estudantis Unesp/FATEC – CEEUF) reuniram-se no campus de Marília para avaliar o movimento na Universidade, a partir do chamado conjunto de greve geral. Entre os servidores, 10 campi deliberaram pela greve para início em 3 de junho e um campus aprovou paralisação de um dia. Entre os estudantes, já são oito campi em greve ou com o início definido para 3 de junho. Entre os docentes, o movimento é crescente, com adesão à greve aprovada em Marília e IA/São Paulo e paralisações definidas em Assis e São José do Rio Preto. Segmentos da USP e UNICAMP também já começaram a realizar assembleias e já aprovaram, como ato inicial, paralisação no dia 11 de junho de 2003.
As greves e paralisações são atos extremos que tem um custo enorme tanto para as carreiras individuais dos envolvidos, quanto para a sociedade em geral, que tem os serviços prestados pela universidade interrompidos por tempo indeterminado. Contudo, não é mais possível que a educação pública estadual continue a caminhar nos sentidos que nossos últimos governos pensaram. Caminho esse que só pode levar ao colapso do sistema público educacional, reservando um ensino cada vez mais tecnicista e empobrecido às classes que não podem pagar por esses serviços. A criação da categoria “O” de professores da rede estadual, a supressão das aulas de história, geografia e ciências do Ensino Fundamental, a imposição do uso de cartilhas que tiram a autonomia pedagógica dos professores e o PIMESP são apenas alguns dos exemplos mais latentes desse caminho escolhido. Embora haja diversas reivindicações pontuais, o problema mais geral que tem motivado esse vigoroso movimento é o quadro extremamente precarizado da educação pública no Estado de São Paulo. Precarização que não atinge apenas as Universidades Estaduais, mas também todo o ensino básico estadual e municipal, como evidenciam os recentes movimentos grevistas dos professores da rede pública estadual e do município de São Paulo.
Sr. Governador, o Estado todo está lhe dizendo repetidamente que já não suporta mais as escolhas que o seu governo fez para a Educação. O senhor não pode mais continuar de olhos e ouvidos fechados à população que lhe elegeu para representar os interesses dela. Abaixo apresentamos nossa lista de reivindicações, com pontos defendidos pelos movimentos dos professores da rede estadual e pelos estudantes, servidores técnico-administrativos e docentes das universidades estaduais de São Paulo.

Ensino Superior
• Aumento do repasse do ICMS de 9,57% para 11,6%, uma vez que desde que o atual valor foi fixado, houve inúmeras ampliações de vagas, cursos, campi experimentais da UNESP e novas unidades/faculdades nas três estaduais.
• Adoção de cotas proporcionais ou outra medida de acesso à universidade construída em conjunto com a comunidade acadêmica e os movimentos sociais ligados à questão; rechaço completo ao Programa de Inclusão com Mérito no Ensino Superior (PIMESP), pois a proposta desconsidera o sucesso da adoção das cotas nas universidades federais, apresentando medidas que tendem a aumentar as desigualdades sociais e étnico-raciais ao invés de solucioná-las. Endossam essa opinião declarações de docentes de diversos institutos e departamentos das universidades estaduais, bem como a proposta alternativa desenvolvida por docentes da Faculdade de Ciências e Letras da UNESP de Araraqura, anexas à presente carta.
• Fim da intervenção do governador nas eleições dos reitores das universidades estaduais, ferindo a autonomia da comunidade acadêmica.

Ensino Básico
• Fim da categoria “O” e efetivação imediata dos professores substitutos concursados no ano passado
• Redução do número de alunos por sala de aula
• Contratação de professores especialistas para as disciplinas de artes e educação física
• Fim da progressão continuada
• Implementação da aposentadoria especial para diretores, vice-diretor e professor–coordenador
• Reincorporação das disciplinas de História, Geografia e Ciências ao Ensino Fundamental”